Pré-candidatos a presidente falam sobre o uso do fundo partidário para pagar viagens – Correio de Alagoas: Notícias e Esportes

Em 2021, os partidos brasileiros gastaram mais de R$ 3 milhões de recursos públicos do fundo partidário em deslocamentos de seus políticos, segundo as prestações de contas enviadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O fundo é disponibilizado para que as siglas paguem contas como luz, água, aluguel, passagens aéreas, entre outros custos ligados à sua…

Em 2021, os partidos brasileiros gastaram mais de R$ 3 milhões de recursos públicos do fundo partidário em deslocamentos de seus políticos, segundo as prestações de contas enviadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O fundo é disponibilizado para que as siglas paguem contas como luz, água, aluguel, passagens aéreas, entre outros custos ligados à sua atividade. O valor também pode ser usado no financiamento de campanhas.

Levantamento feito pela CNN mostra que, de todos os gastos declarados pelos partidos, R$ 3,1 milhões dizem respeito a despesas com jatos privados usados por políticos.

Criado em 1995, o fundo é distribuído todos os anos às siglas de acordo com o total de cadeiras que elas possuem na Câmara.

A CNN perguntou aos pré-candidatos à Presidência da República o que eles pensam sobre o uso do fundo partidário para bancar viagens de políticos.

Confira abaixo as respostas:

Luiz Inácio Lula da Silva (PT):

O pré-candidato não respondeu até o momento da publicação.

Jair Bolsonaro (PL):

O pré-candidato não respondeu até o momento da publicação.

Ciro Gomes (PDT):

O pré-candidato não respondeu até o momento da publicação.

André Janones (Avante):

O pré-candidato não respondeu até o momento da publicação.

Simone Tebet (MDB):

A pré-candidata não respondeu até o momento da publicação.

Pablo Marçal (Pros):

O pré-candidato não respondeu até o momento da publicação.

Felipe d’Avila (Novo):

Sou tão contrário a gastar o dinheiro dos brasileiros com jatinhos para políticos. Estou no único Partido que trabalha — na prática — para que isso acabe. O Partido Novo não usa o fundo partidário para sua manutenção, e devolveu o que tinha direito do fundo eleitoral para campanha, porque acreditamos que o dinheiro público deve ser gasto com a população, e não com a classe política.

As viagens e demais gastos do partido são pagos com o dinheiro dos nossos filiados e simpatizantes, que contribuem porque acreditam na causa e compartilham dos nossos valores.

José Maria Eymael (DC):

A utilização de recursos do fundo partidário para viagens de dirigentes partidários eu considero absolutamente normal e necessário. Nada substitui a ação presencial de dirigentes partidários.

Quanto à utilização de jatinhos por dirigentes partidários, quando estritamente necessário, a Democracia Cristã considera legítimo.

A Democracia, entretanto, ressalta que essa hipótese em relação a ela é inexequível, face ao pequeno valor que recebia.

Registre-se que, essa desproporção na distribuição do fundo partidário ofende frontalmente o princípio constitucional da igualdade.

Leonardo Pericles (UP):

O pré-candidato não respondeu até o momento da publicação.

Luciano Bivar (União Brasil):

O pré-candidato não respondeu até o momento da publicação.

Sofia Manzano (PCB):

A pré-candidata não respondeu até o momento da publicação.

Vera Lúcia (PSTU):

A pré-candidata não respondeu até o momento da publicação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *