Dia dos Namorados: casais relembram início do relacionamento; confira – Correio de Alagoas: Notícias e Esportes

Apoio e incentivo mútuo fazem parte da vida daqueles que almejam crescer juntos

Ter um relacionamento, independentemente de como ou da idade em que ele começa, vai muito além dos momentos de alegria. Há diversos obstáculos e situações difíceis de serem superadas. E são essas experiências que comprovam os sentimentos de cada indivíduo e garantem que lindas histórias de amor sejam escritas pelos casais.

E o que dizer de um amor que a gente conhece desde a infância? Os alagoanos Adriana e Marcos Paiva foram colegas de escola desde a terceira série da educação básica, mas só foi no final do ginásio que trocaram os primeiros olhares. No finalzinho do terceiro ano, engataram o namoro no Colégio Marista, em Maceió. Seguiram juntos compartilhando as descobertas e aflições do pré-vestibular. Combinavam até no interesse profissional pela área de saúde. Ela escolheu Fisioterapia e, ele, Medicina. Ficaram noivos antes da formatura, mas a rotina de trabalho do amado era tão intensa que ele chegou praticamente como convidado para o casório. “O primeiro ano de residência é muito puxado. Ele não tinha tempo para nada. Então, tive que organizar tudo do casamento sozinha, com apoio de minha mãe e da minha sogra. Ele chegou um dia antes para a sessão de fotos e foi quase um convidado no nosso casamento”, diverte-se Adriana que já se acostumou com a agenda apertada do marido.

Adriana não hesitou em mudar de cidade quando ele foi aprovado para a Residência Médica em Recife. De lá, a família seguiu para a Bahia, onde Marcos Paiva se especializou em cirurgia plástica e acaba de inaugurar uma clínica particular que leva seu nome. “Vivemos muitas fases, sempre nos apoiando mutuamente. Somos parceiros em tudo na vida”, celebram em uníssono. Oito anos de namoro e mais dezesseis de casados, muito crescimento pessoal e conquistas profissionais contabilizados na conta do primeiro amor. O fruto mais importante desta união é o pequeno Benício, de 4 anos. “Ele é, sem dúvida, nosso maior presente”, define o pai coruja.

Como em um filme romântico

Ter um grande amor é sonho de muita gente. Há aqueles que acreditam que um relacionamento ideal só vemos nos filmes. Porém, viver uma história de amor leve, saudável, com uma troca genuína e que nos permite crescer e ser melhores é possível. E essas histórias começam em lugares inimagináveis e de maneiras bem inusitadas.

A empreendedora Juliana Januária da Conceição, 23, e o esposo Adesio Candido dos Santos, 27, têm uma história digna daquelas produções cinematográficas voltadas para adolescentes com um final feliz. Em 2017, Juliana cursava o ensino médio, quando notou Adesio. Ele levava e buscava a sobrinha na mesma escola em que ela estudava. Todos os dias para a felicidade de Juliana. Adesio ocupava o lugar do sonho impossível, já que namorava uma amiga de Juliana. O contato sempre foi amigável. Com o passar do tempo e – solteiro – a história de amor se tornou inevitável.

Depois de tantas reviravoltas da vida, hoje eles são casados, têm um filho e um história de amor, cumplicidade e, acima de tudo, incentivo. Juntos há quatro anos, o casal coleciona momentos e experiências de crescimento em comum. Foi a chegada do pequeno Miguel que fez com que a jovem enxergasse que investir na relação com Adesio foi sua melhor escolha. Mais que um namorado, ela ganhou o melhor amigo. “Ele foi meu primeiro namorado e é a pessoa que mais me apoia em tudo. Quando começamos a namorar, ele sempre me levava e me buscava na escola e isso fazia com que eu me sentisse protegida. Quando engravidei, ele continuou me encorajando a não parar de estudar. Foi depois do nascimento do nosso filho que decidimos morar juntos e dividir a vida”, conta orgulhosa.

Formada no ensino médio, a jovem empreendedora sonha em ingressar no curso de Agropecuária e conta com o apoio do marido para tornar esse desejo também realidade. “Adesio é a primeira pessoa a me dar força e a estar do meu lado. Eu disse que queria entrar na faculdade e ele apoiou. Ainda não me matriculei, pois meu filho é pequeno e eu precisei adiar esse sonho. Mas, em breve, vou começar e tenho certeza que meu esposo estará do meu lado”, planeja.

Uma “amizade colorida”

Mais que apoiar, é sentir na pele a sensação de viver os momentos de aflição e ter com quem contar. Assim foi com a estudante Emily Giffone e o advogado Osvaldo Barreto. O casal se conheceu na faculdade, em 2017. Ambos estavam no curso de Jornalismo e a rotina de estudos e trabalhos em grupo os aproximou.

“Eu estava no meu primeiro semestre e ele no segundo. Ele já era formado em Direito e entendia como era o mundo universitário. O suporte que ele me dava, me orientando, ajudou muito nesses primeiros momentos. E eu também o ajudava quando ele precisava, sendo amiga, parceira e incentivadora. Então, além de namorados, sempre fomos amigos, dispostos a evoluir, a crescer juntos, sempre com críticas construtivas e muito amor”, conta a estudante.

Como se não bastasse o sentimento que uniu o casal, a paixão pela mesma profissão ajudou a superar os obstáculos encontrados no caminho. Trabalhos, textos, entrevistas e o tão temido TCC teve um gostinho a mais para Emily, que está prestes a se formar e contou com suporte do namorado para perseverar e enfim concluir esta etapa tão importante da sua jornada profissional. “Talvez se não tivesse ele para me lembrar o quanto sou capaz, poderia até ter desistido. Às vezes explodo, choro, grito e ele vem como uma calmaria para me segurar. Somos completamente o oposto nisso e acho que é o que faz dar certo. Me desespero achando que não vou conseguir fazer e ele diz: você é guerreira, eu te ajudo, nós vamos fazer juntos e é isso é que torna tudo mais leve”, comenta orgulhosa a universitária.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *